• images/slider/01.jpg
  • images/slider/02.jpg
  • images/slider/03.jpg
  • images/slider/04.jpg

Rede de Média Complexidade

O QUE É ATENÇÃO DE MÉDIA COMPLEXIDADE?

O Ministério da Saúde informa: são ações e serviços de saúde que visam atender aos principais problemas e agravos de saúde da população, realizados em ambiente ambulatorial ou hospitalar, que exigem a utilização de equipamentos e profissionais especializados e a utilização de recursos tecnológicos para o apoio diagnóstico e tratamento. Está integrada à Atenção Básica através de um sistema de regulação.

Na MC também são desenvolvidas ações de promoção, proteção, prevenção de agravos, diagnóstico, tratamento, reabilitação e manutenção da saúde. As unidades da MC e suas equipes desenvolvem ações distintas, em função do foco das situações de saúde/doença e dos grupos populacionais a que se destina o cuidado.

 COMO FUNCIONAM AS UNIDADES DA MC?

Cada uma das unidades da MC tem uma missão específica e deve garantir o retorno do usuário à unidade da Atenção Básica (AB), a fim de possibilitar a continuidade do cuidado. Essas unidades são as Policlínicas, os Centros de Atenção Psicossocial, os Centros de Reabilitação, os Centros Especializados de Odontologia, o Centro de Doenças Infecciosas, enfim, as unidades nas quais são desenvolvidos cuidados especializados em saúde.

Os atendimentos neste nível de atenção são programados e encaminhados das unidades da Atenção Básica e da própria Rede Especializada, através do agendamento via internet, no Sistema de Regulação, com apresentação do Cartão SUS. Esse ir e vir do usuário na rede de saúde exige que o primeiro encaminhamento seja feito na unidade da Atenção Básica (AB), após avaliação do profissional de saúde habilitado para este procedimento de saúde.

As equipes das Unidades de Média Complexidade são compostas por diferentes profissionais: assistentes sociais, arte terapeutas, cuidadores, dentistas especialistas (buco maxilo, endodontistas, periodondistas), enfermeiros especialistas, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, médicos especialistas (angiologistas, cardiologistas, cirurgiões, dermatologistas, endocrinologistas, gastroenterologistas, geriatras, ginecologistas, hematologistas, mastologistas, nefrologistas, neurologistas, otorrinolaringologistas, oftalmologistas pediatras, pneumologistas, psiquiatras, reumatologistas, urologistas), musico terapeutas, nutricionistas, psicólogos, recreadores, técnicos de enfermagem, além dos recepcionistas, assistentes administrativos e auxiliares de serviços gerais.
O trabalho dessas equipes também deve priorizar a atenção aos grupos de risco (crianças, gestantes, idosos, hipertensos, diabéticos) além daqueles usuários cujo processo de adoecimento exige cuidados diferenciados daqueles dispensados na AB.

Na prática isto significa acesso a:

  •  procedimentos especializados, realizados por profissionais médicos, dentistas, enfermeiros e outros profissionais de nível superior e nível médio, tais como:
  •  grupos de Educação em Saúde (Planejamento Familiar, Prevenção do Tabagismo, Cuidados na Hipertensão e Diabetes, Atividade Física, Prevenção da Obesidade, Cuidados no Pré-natal, Prevenção do Câncer, etc.);
  • rodas de Terapia Comunitária;
  • vigilância nutricional;
  • cuidados de enfermagem (aferição da pressão arterial, curativos, administração de medicamentos com prescrição, nebulização);
  • dispensação dos medicamentos especializados;
  • integração ensino serviço (participação de acadêmicos da área de saúde nas atividades do cotidiano da equipe);
  • integração com a rede escolar através do Programa Saúde na Escola, Olhar Brasil;
  • integração com diferentes níveis e serviços que constituem a rede de atenção à saúde;
  • integração com diferentes setores da sociedade, visando a integralidade do cuidado em saúde. (Ação Comunitária, Conselhos de Direito, Judiciário, Ministério Público, etc.);
  • cirurgias ambulatoriais especializadas;
  • anestesia;
  • ações especializadas em odontologia;
  • procedimentos tráumato-ortopédico;
  • procedimentos de fisioterapia;
  •  terapias especializadas;
  • diagnose através de exames laboratoriais, de imagem (raios X, ultrassonografia, tomografia) e de patologia.

 COMO ACESSAR AS UNIDADES DA MÉDIA COMPLEXIDADE?

  • consultas com Especialistas: agendadas através do sistema de regulação, via internet, após avaliação da necessidade pelo médico na unidade da Atenção Básica ou por outro especialista;
  • nas unidades de Saúde Bucal: a partir de encaminhamento pelo dentista da Atenção Básica;
  • nas unidades de Saúde Mental: por procura espontânea ou encaminhamento da Atenção Básica ou de unidade de urgência;
  • no Centro de Doenças  Infecciosas: por encaminhamento ou livre demanda do próprio usuário;
  • Centro de Imagem: através de agendamento no sistema de regulação, via internet;
  • Laboratório Municipal: através da Coleta Descentralizada ou por demanda livre;
  • na Ótica Municipal: por encaminhamento ou demanda livre.

 UNIDADES DA MÉDIA COMPLEXIDADE

As unidades da MC além de estarem distribuídas nos territórios que compõem os Distritos Sanitários Norte e Sul, podem estar localizadas em outros municípios, fazendo parte das redes regionais de atenção à saúde.
Em Volta Redonda, além dos 03 Centros Especializados de Odontologia, os 18 serviços integram a Rede de Atenção à Saúde.

 

 

Secretaria Municipal de Saúde

Rua 566, nº 31 - Nossa Senhora das Graças  |  CEP: 27295-390

Tel: (24) 3339-9635/ 3339-9636/ 3339-9637  |  Tele/fax: (24) 3347-4148  |  Email: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.